horizonte

por julyanna

mar-aberto

hoje eu abri o caio fernando. e coincidência ou não eu abri no texto: a beira do mar aberto.um dos meus textos prediletos dele. bem melancólico para um domingo como esse.ai uma sequência lindinha. bem a cara. e um trechinho do texto:

“e de novo me vens e me contas do mar aberto das costas de tua terra, do vento gelado soprando desde o pólo, nos invernos, sem nenhuma baía, nenhuma gaivota ou albatroz sobrevoando rasante o cinza das águas para mergulhar, como certa vez, em algum lugar, rápido iscando um peixe no bico agudo, mas essas outras águas que lembro eram claras verdes, havia sol e acho que também um reflexo de prata no bico da ave no momento justo do mergulho, nessas águas de que me falas quando me tomas assim e me levas para histórias ou caminhadas sem fim não há verde nem é claro, o sol não transpõe as nuvens, e te imagino então parado sozinho entre a faixa interminável de areia, o vento que bate em teu rosto, as mãos com os dedos roxos de frio enfiadas até o fundo dos bolsos…”

a beira do mar aberto

até.